Notícias

Por que realizar o controle parasitário em bovinos?

bois-1200x480 Doracide | endectocida injetável à base de doramectina

O rebanho bovino no Brasil alcançou marca de 226 milhões de cabeças, segundo dados da USDA/FAO. Em 2015, já havia chegado a 215,2 milhões, número que representou um recorde para a pecuária brasileira, atividade que tem grande participação na economia do país, atendendo a demanda interna e o mercado externo.

Mesmo com tamanha representatividade e potencial, o Brasil ainda fica atrás da pecuária norte-americana, por exemplo, que possui menos cabeças do que encontramos nas pastagens em solo nacional. Para efeito comparativo, no Brasil, a taxa de desfrute gira em torno de 19%, enquanto em países como Argentina, Inglaterra e Estados Unidos, as taxas ficam 26%, 31% e 37%, respectivamente.

A produtividade é um dos fatores que precisa ser alavancado para que sejam alcançados melhores rendimentos para os produtores e, consequentemente, para o mercado. Além do manejo, da nutrição e da genética, a sanidade também é um dos pilares do aumento da produção e, entre outros pontos, envolve o controle de parasitas em bovinos, necessário especialmente no nascimento, desmame e após a castração. Pode-se dizer que a presença de parasitas no rebanho está relacionada a quatro aspectos centrais:

  • potencial do parasita em infectar e permanecer no animal;
  • idade, raça e sexo do animal;
  • nutrição, lotação e tipo de pastagem;
  • clima.

Seja qual for a combinação dessas variáveis na fazenda, o controle parasitário em bovinos é fundamental para garantir a lucratividade, já que animais infectados significam perdas econômicas provocadas principalmente por:

  • pior ganho de peso e conversão alimentar;
  • diminuição da produção de carne e leite;
  • atraso na idade de abate e de reprodução;
  • transmissão de agentes patogênicos;
  • morte de animais.

Transformando essas causas em prejuízo monetário, no caso de uma infestação de, em média, 100 carrapatos, a perda é de 118 g/dia no peso do animal, o que corresponde a 3,54 kg/mês, resultando em R$15,93/animal/mês. Veja a tabela a seguir:

​Parasita Prejuízo/ano
​Nematóides ​US$7,11 bilhões
​Carrapatos​US$3,24 bilhões
​Berne​US$0,38 bilhões
​Mosca do Chifre​US$2,56 bilhões
​Miíases​US$0,34 bilhões
​Mosca do Estábulo​US$0,34 bilhões

Com esses dados, fica constatado a importância de realizar o controle de parasitas em bovinos como forma de prezar pela produtividade das fazendas e lucro dos produtores. Estudos sobre verminoses em bovinos comprovam que com a prevenção, houve aumento de até 180 kg de leite por lactação.

Porém, para garantir que o combate seja eficaz, é preciso ainda realizar o controle de forma correta do endectocida, ou seja, nas épocas, frequência e com bases terapêuticas adequadas. Dessa forma, os produtores evitam desperdícios de recursos e, no estágio preventivo, as aplicações são mais econômicas do que quando já existe a necessidade de cura. Vale ressaltar, entretanto, que muitos parasitas se alojam na pastagem – 95% ficam no pasto e só 5% nos animais -, sendo necessário o controle estratégico dos parasitas, para que assim seja possível diminuir a carga parasitária no animal e nas pastagens.

Doracide – endectocida injetável à base de doramectina

Na hora de optar pelo endectocida ideal para seu rebanho, pare os parasitas e libere a produtividade com Doracide, a nova solução da Bimeda para o combate parasitário em bovinos. Sua ação em amplo espectro e fórmula à base de doramectina a 1% conquistaram resultados comprovados conta vermes gastrointestinais, bernes, carrapatos e miíases. Saiba mais sobre o produto clicando aqui e confira os resultados dos testes e análises.

Fonte: Innovare Pesquisa / Grupo Publique

Informações para quem cria: dicas de sites sobre a...
Prevenção de bicheira em bezerros: mais produtivid...

Related Posts

By accepting you will be accessing a service provided by a third-party external to https://www.bimeda.com.br/